sobre o livro.

OS OSSOS MOÍDOS
Regina Maris


É impossível permanecer indiferente ao relato autobiográfico de Regina Maris, que traz à tona a violência dos abusos sofridos desde a infância e que atravessaram toda sua vida, até a idade adulta.
 
Em meio à amargura, à raiva, à revolta e aos possíveis gatilhos – visto que, em maior ou menor grau, todas nós já enfrentamos situações de abuso e violência pelo simples fato de sermos mulheres em uma sociedade machista e patriarcal –, esse livro traz lembranças doces, amorosas, cheias de compaixão e recomeços.
 
“A vida de Regina é uma jornada de busca por autoconhecimento e cura, por experiências de amor que pudessem amenizar o amargor das recordações difíceis. Ela nos conduz por suas aventuras e é possível senti-las, rir e chorar, surpreender-se com os caminhos que a mente da autora faz ao nos levar, no ritmo do reggae, em sua busca de amor e esperança, sem jamais esquecer ou perdoar, mas vivendo a verdade da superação de um lugar de vitimização por um caminho de vivência intensa e generosa. É gostoso acompanhar a história e saborear com a autora a vitória sobre seus algozes. Enquanto o mais absoluto nada os consome, nós celebramos a vida, a escuta atenta e a possibilidade de falar, para que mais nenhuma criança, mais nenhuma menina tenha de, sozinha, enfrentar tamanha treva”. [trecho da apresentação de Os Ossos Moídos, por Binah Ire]
 
Mais que conhecer a história de Regina Maris, que é também a história de muitas meninas e mulheres que convivem com a violência de gênero dentro de suas casas, a leitura deste livro é uma forma de honrar a memória dessas mulheres, e de fazer com que suas vozes reverberem como vozes de esperança.

CLIQUE AQUI PARA

COMPRAR O SEU!

Valor: R$ 59,00


 

sobre a autora

IMG_20210730_144519688_BURST000_COVER.jpg
Regina Maris

Regina Maris é sanitarista, especialista em saúde pública, mãe do João de Regina, amante do reggae music e uma sobrevivente. Escreveu esta obra durante a pandemia que atingiu o mundo em 2020.

Na cozinha de sua casa, em Campinas, foi cozendo e temperando a história com cuidado e máxima fidelidade possível aos eventos que se desenrolaram em meio às montanhas de Camanducaia. Na companhia de Cedella e Bob Marley, ressignificou os traumas e encontrou a redenção em forma de livro, como justiça possível, e uma história de amor a ser partilhada. A vida se sobrepôs à morte.